sexta-feira, 4 de agosto de 2017

5 Dicas rápidas de organização para começar bem o dia

Olá gente, tudo bem com vocês? Espero que sim!
Por aqui, tudo se encaminhando, mesmo com a ausência da minha diarista, meu braço direito e coluna cervical. Para quem não sabe, sofro de escoliose e tenho problemas no nervo ciático, então, a parte mais pesada da faxina só faço se depois puder ir ao hospital tomar uma boa dose cavalar de medicação para dor.
Minha diarista adoeceu na última sessão da faxina e fiquei com a mão na cabeça e outra na caixa de remédios, pois a rotina fica mais difícil sem ela por perto. Então, hoje quero compartilhar uma rotina de organização express que adotei para essa semana e até agora parece que está funcionando.
1- ARRUMAR A CAMA AO LEVANTAR

Via Pinterest.

Não é tarefa simples e fácil, diante da urgência do despertador e da agenda lotada desde cedo do dia, mas vale a pena demais gastar cinco minutos para dobrar os lençóis e forrar a colcha ou edredon sobre a cama. Ao voltar pra casa temos a sensação que podemos repousar ali e isso nos deixa mais relaxados. A imagem da cama arrumada exerce uma força muito grande em nossa mente e nos prepara para o repouso. Testado e aprovado aqui. Vale a pena o investimento do tempo.

2- DEIXAR A CAFETEIRA PRONTA OU A CHALEIRA NO FOGÃO
Para aqueles que precisam de cafeína logo de manhã, é muito útil e prático deixar a cafeteira ou a chaleira já a postos para o uso. São apenas cinco minutos para higienizar a cafeteira (a nossa é a Modo da Três Corações), ou lavar a chaleira. A diferença é muito grande na hora de servir o cafezinho da família. A mesma dica serve para aqueles que tomam vitaminas e shakes. Deixar as frutas e leite organizadas na noite anterior, já facilita muito.

3- RETIRAR O LIXO DA CASA NA HORA DE SAIR PARA O TRABALHO
Não há nada que mais desperte o nosso mal humor do que o mal cheiro da lixeira da pia, ou dos banheiros de manhã logo cedo. Aqui tento evitar o acúmulo nas lixeiras, mas é sempre muito complicado, então, criei um ditado nem um pouco delicado, depois de levantar e dar bom dia para todos, digo: HOJE É O DIA DO LIXO! 
Claro que não é uma mensagem linda para despertar pra um novo dia, mas o lixo sendo posto para fora no dia da coleta, pode ajudar a manter a sensação de limpeza e higiene do espaço.

4- LAVAR A LOUÇA TODOS OS DIAS
A louça é uma tarefa complicada para mim, por causa da  "maledita" escoliose, mas desde que a pia não transborde, tenho procurado lavar a cada refeição ou enquanto estou cozinhando e manipulando alimentos. A visão de uma pia limpa trás um grande impacto para o ambiente e podemos seguir com nossas outras tarefas sem tantas preocupações.

Fonte:
http://www.thekitchn.com/how-i-hide-the-dirty-dishes-in-my-open-kitchen-189406
5- COLOCAR CADA COISA EM SEU LUGAR
É o maior desafio de minha vida. Sempre coloco a culpa no meu signo que é Gêmeos, e assim, procuro explicar a bagunça dupla, mas na verdade, preciso ter mais disciplina para devolver cada coisa para seu lugar. Cada momento dessa semana foi complicado, mas sigo devolvendo as coisas para seus espaços e procurando manter a arrumação e organização, até a semana que vem, quando minha diarista retorna para me salvar do caos e desarrumação.

Fonte:
http://www.inspirerr.com/messy-room-messy-headspace/
Espero mesmo que minhas dicas baseadas na minha experiência ajudem vocês em suas rotinas semanais. Enquanto esperam o dia da grande faxina, vamos organizando aos pouquinhos e assim, manter o clima bom na sua casa.
Um grande abraço e cheiro e até logo:
Andreia Regina




quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Terapia da Casa no Facebook?

Olá gente, tudo bem?
Espero que estejam todos ótimos.
Aqui estamos bem, dando início ao mês de agosto com esperança que o melhor aconteça ao nosso país. 
A novidade desse mês é que abrimos nossa página no Facebook. A ideia é ampliar nossas conversas, receber sugestões de postagens e poder ficar mais perto de nossas leitoras e leitores.
Acredito que devem se lembrar que fiz uma postagem falando que saímos do Facebook para evitar tanta exposição de nossa vida pessoal e dos meninos. Mas permanecemos nas outras redes sociais, por entender que elas são mais fáceis de controlar o acesso.
O objetivo de nossa página do Terapia da Casa é mesmo buscar inspiração naquilo que vocês querem saber mais e assim, atender melhor no nosso divã.
Nos procurem no www.facebook.com/blogterapiadacasa, curtam nossa página e deixem um recadinho para nós. Vamos ficar muito felizes em ver vocês por lá também.
Um super abraço e obrigada pela companhia.
Andreia Regina

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Festa da matrioska: comemorando 40 anos em estilo maternal

Olá queridos e queridas, espero que estejam bem. A postagem de hoje é para compartilhar a minha festa de 40 anos de idade num estilo novo, mas que em breve vai ser tendência, a matrioska. O tema é bem novo no Brasil, mas já tem muita festa infantil e adulta explorando a temática que evoca a simbologia da maternidade, do sentimento de ser mãe.

Bolo delicioso realizado por Shalla Cavalcante, Nova Parnamirim, Parnamirim

A origem da matrioska ou babuska é a Rússia com seus contos seculares e cheios de sábias reflexões. Conta a história que um escultor fez uma boneca de madeira e a mesma no dia seguinte ganhou vida e lhe pediu que esculpisse outra menorzinha para lhe fazer companhia. O escultor atendeu o pedido e para sua surpresa, a boneca pediu mais uma companheira, mesmo que fosse menor ainda que a anterior. Intrigado, ele resolveu fazer o capricho da boneca, mas ficou surpreso ao receber o pedido por uma nova boneca, que fosse ainda menor que a última. O escultor cansou-se desta solicitação e resolveu fazer um boneco com bigode numa tentativa de fazer a boneca acabar com seus pedidos, mas para sua grande decepção, ao ficar pronto o boneco, todos sumiram de sua casa.
Busquei no Dicionário de Simbologia, do Manfred Lurker o significado para boneca, mas não se encontra nenhum. Mesmo assim, a lenda me fascina pela sua originalidade e sentimento de cuidado.

Andrielle Mendes decorando as garrafas com flores gypsofilas em tons azul, branco e rosa.

Assim que defini o tema, iniciei os preparativos para a decoração. Eu já tinha o trio de matrioskas, compradas numa feira internacional em Natal/RN, então era hora de definir a identidade visual da festa. Comprei no Mercado Livre um kit digital de scrapbook com matrioskas e outros elementos, e fiz a impressão em papel peso 40 para usar nas garrafas, nas lancheiras, colheres dos doces e nas lembrancinhas. Valeu super a pena comprar o kit digital, paguei apenas 2.99 e pude usar bastante em diferentes elementos.
Mesas com as garrafas decoradas.
No cardápio foram servidos salgados de forno, cachorro quente, doces de colher, brigadeiro de copinho, sanduíches frios, sucos, refrigerante e no final, o delicioso bolo. Teve convidado que já se ofereceu para a próxima festa, o que me fez achar muita graça.


Matrioska do Ateliê Tapioca Kids- Natal/RN

Preparei então uma sacola de papel e coloquei a lembrancinha da festa, um marcador de página na forma de matrioska, feita em feltro pela minha irmã Andrielle Mendes. Além disso, preparei sacolinhas com doces e pipoca para as crianças e adolescentes que acompanharam suas famílias na festa.
Sacolinhas com marmitas de doces tradicionais e os marcadores de página.
Montamos duas mesas, uma de doces e outra com o bolo, doces tradicionais e flores naturais. A decoração também foi marcada por lanternas japonesas nas cores da festa. A ideia era fazer uma decoração simples e ao mesmo tempo bonita. Parece que atingimos o objetivo, pois teve muita gente elogiando.
Marcadores de páginas feitos em feltro pela minha querida irmã.
Sacolinhas com doces e matrioska fofa de tecido em sua bicicleta.

O objetivo da festa era comemorar meus 40 anos de idade e o primeiro aniversário de nossa entrada na fila nacional da adoção. Então, os presentes sugeridos foram livros para a biblioteca de nossa pequena e brinquedos para doação pro Projeto Social da Seara Espírita Francisco de Assis. Gratidão aos que contribuíram com minha ideia.

Presentes que nossa futura filha ganhou.
As mesas da festa foram arrumadas por minha irmã e minha cunhada Fabíola e o resultado ficou bem singelo e delicado. As crianças tiveram uma mesa especial com coleção hidrocor, lápis de cera, massinha, lápis e imagens de matrioskas para pintar. As crianças gostaram muito e aproveitaram para se divertir.
A mesa do bolo recebeu poucos elementos, mas ficou bem delicada e com apenas o essencial. Nossa filosofia é menos é mais. Os tubetes foram decorados por mim, as bandejas de metal (Le Biscuit) receberam trufas decoradas com os elementos da festa, matrioskas, flores e corações. Todos os doces foram feitos por Shalla Cavalcante. Já os vasos, comprados na Le Biscuit, receberam as delicadas gypsofilas, dando um charme a mais. Na parede, as matrioskas formaram um semi círculo, a partir das toalhinhas de papel. O arranjo simples deixou tudo muito singelo, como eu desejava.


Na mesa dos doces, além das trufas decoradas, placas de chocolate, pirulitos decorados e tubetes, os cupcakes foram a atração principal. A base que vocês estão vendo são pratos de plásticos, comprados no Ponto dos Botões, no Via Direta, Natal/RN e com a base a partir de castiçais comprados na Iskisita, também no Via Direta.

 No final da festa, o sentimento era de pura gratidão. Reuni apenas a família e os amigos mais especiais, novos e antigos. Foi o momento para dizer pro universo que estamos prontos pra chegada de nossa filha e início de uma nova jornada. Afinal, a vida começa aos 40 anos.
Obrigada por nos acompanharem aqui.
Um cheiro grande e muita luz.
Andreia Regina

sábado, 22 de julho de 2017

Casamento rústico: parte 3

Olá pessoas queridas, desculpa a demora, mas junho e julho são meses intensos para todos nós por aqui, por ser época de recesso escolar, festas juninas mais aniversários e festividades em geral.
Então, vocês acompanharam os preparativos para o casamento rústico da noivinha meiga Jaqueline e agora vou mostrar o resultado do trabalho meu e de minha irmã, a jornalista metida a decoradora como eu, Andrielle Mendes.
Igreja:
A decoração da igreja custou no total 50,00 reais. Como aconteceu isso? Sendo um casamento rústico, optamos por comprar toalhas de papel doyle no formato de coração e círculos e arrematamos com um barbante e fita de cetim na cor amarela. Simplesmente amarramos o cordão aos bancos e fomos preenchendo com os corações, círculos e muito carinho.
No púlpito, aproveitamos os arranjos de flores artificiais cedidos pela igreja e incrementamos com gypsofila. O efeito ficou muito bonito e natural. A passadeira foi emprestada de uma outra igreja, mesmo não sendo nos tons da decoração, o contraste acabou ficando bonito.






Salão:
As flores de papel foi a forma mais barata que encontramos para fazer a decoração das paredes do salão, porém foi a experiência mais difícil que passei. Explicando os motivos, experimentei três tipos de papel de gramaturas mais pesadas e os efeitos eram muito diferentes de uma flor para outra. Inicialmente usei um único molde em MDF que comprei na Le Biscuit do Midway Mall em Natal. Para juntar as peças comecei a usar a cola quente, mas o tempo de colocar uma pétala e preparar a próxima era tão demorado que passei para a cola em bastão. O uso prolongado da cola em bastão acabou me deixando com uma alergia horrível e acordei faltando uma semana para o casamento com o rosto todo inchado. Graças a Deus que já tinha concluído a maior parte do trabalho. 
Lições sobre as flores de papel:
1- Teste uma gramatura de papel antes de comprar todo o material necessário. Eu comprei todo o material antecipado e depois tive que lidar com a confecção das flores num material difícil.
2- As flores de papel não fixam bem com fitas adesivas em cortinas. Ao longo das fotos vocês vão perceber que elas foram despencando da cortina, para meu desespero. Melhor dica: use fio de náilon.

Na mesa do bolo, os docinhos foram colocados em caixetas amarelas e no vaso de vidro colocamos margaridinhas com gypsofilas. As flores naturais foram compradas no Outlet Agroflora, localizado na Avenida Mor Gouveia, Lagoa Nova, Natal. A decoração do salão incluindo as flores de papel, os quadrinhos de Paris, os arranjos naturais e as garrafas que produzimos com os corações de feltro custaram ao todo por volta de 150,00.




As lembrancinhas foram presentes da outra madrinha, caixas decoradas de  MDF com juta, fita de cetim amarela e barbante, combinando com os elementos que eu e minha irmã utilizamos para compor todo o conjunto da decoração.


E o resultado foi esse aí de cima, muita felicidade, alegria e trabalho colaborativo. A noivinha amou tudo e eu e minha irmã nos sentimos gratas por participar desse momento único e especial. Espero que tenham gostado de nossa decoração e saibam que é possível sim fazer uma decoração simples, rústica, barata e acima de tudo muito bonita.
Um abraço grande e não esqueçam de nos seguir nas redes sociais!
Beijinhos: Andreia Regina
XXOO










sexta-feira, 9 de junho de 2017

Dez dias para 40 anos

Olá gente, tudo bem com vocês?
Espero que estejam ótimos e bem nutridos de bons sentimentos.
Eu aqui ando na transição para os 40 anos de idade. Acreditam que nunca imaginei que viveria tanto? Não tenho certeza de onde surgiu isso, mas espero viver agora mais 40 anos com saúde, é claro.
Essa postagem de hoje é para lançar um olhar sobre como nos construímos como seres humanos ao longo da nossa existência.

Estudo para Leda. Leonardo Da Vinci.
Faltando então 10 dias para 40 anos, tenho mais o que agradecer do que o que reclamar, óbvio que alguns centímetros a mais e um pé com um número 35 teriam me ajudado. Posso afirmar então que a pessoa que sou hoje começou a ser construída 25 anos atrás, no ano de 1992, quando ingressei no ensino médio no curso de magistério e no Banco do Brasil como menor aprendiz. Foi a escola, pelo menos o que eu busquei nela, e o meu primeiro emprego que me deram minhas primeiras pinceladas de cultura através dos autores, dos livros e das disciplinas que comecei a ter contato.
Claro que tenho uma lista dos livros que li a partir de 1992, inclusive, guardo essas folhas faz 25 anos. E quando releio percebo que os livros nos definem. Vou citar alguns de minha lista como exemplo:

Ficção Científica: o primeiro livro que li foi sobre o Triângulo das Bermudas, do Charles Berlitiz. Na época não havia internet, então, esse tipo de relato sobre fenômenos fantásticos muito aguçava a minha mente, e realmente, procurei ler muita coisa que sempre tive dúvidas e ninguém para responder. Depois fui apresentada ao Isaac Asimov e minha perspectiva mudou. Amei robótica antes de conhecer o computador e acima de tudo, passei a nutrir um sentimento de grande respeito pela ciência, desejando fazer parte dela, de alguma forma.





Biografias: achava fascinante descobrir sobre a vida de pessoas que causaram algum impacto na história da humanidade e aproveitei para adquirir e ler uma coleção de livros que me apresentaram grandes personalidades como Maquiavel, Gandhi, Karl Marx, entre outros. Até hoje sou fã de biografias, o que meu amor marido não entende muito bem. Problema dele.
Espiritualismo: minha mãe nunca me cobrou seguir o catolicismo na adolescência, de forma que eu lia de tudo e tinha assim contato com muitas religiões. Porém, foi o livrinho Quem tem medo da morte?, do Richard Simonetti, que abriu minha perspectiva e nela estou até os dias de hoje.
História geral: A Revolução Francesa, de B. Erin, M. Xovar, D. Virieux,  foi um dos livros que li naquele ano e não só me aproximou do campo da história social, como me mostrou o poder das mobilizações sociais e das manobras políticas. Enquanto historiadora, tenho minhas áreas favoritas, mas a Era das Revoluções ainda me chama atenção.
Negras raízes foi outra obra que me impactou profundamente. Li o livro de Alex Haley por indicação de um dos meus chefes do Banco do Brasil e me identifiquei bastante com a temática e a luta dos afro-americanos por respeito e reconhecimento. Quem não leu o livro, existe uma versão para televisão. 

Drama: Eu Cristiane F. 13 anos, drogada e prostituída foi uma leitura  muito importante na minha adolescência. Aliás, acho que muitos jovens perdem por não ter conhecimento dessa história dramática, mas ao mesmo tempo cheia de lições. Ainda recordo de alguns trechos da obra e espero reler no futuro.

Não-ficção: Lia poucas obras brasileiras com 15 anos de idade, na verdade, era o que me chegava às mãos ou o que eu podia comprar nas bancas de revistas. Por isso, não sei dizer como recebi em minhas mãos o livro Feliz Ano Velho. Ele me deu um panorama bem vívido da repressão durante o regime militar no Brasil e a desconstrução de uma família. Vale a pena indicar, vale a pena ler.
Literatura: E os clássicos? Meu autor preferido é William Shakespeare. Como eu o conheci? Através de uma HQ comprada numa banca de revista. A partir da história do atormentado Hamlet, pude me lançar em muitas peças e descobrir uma leitura diferente e ao mesmo tempo realista das paixões humanas. Minha HQ sumiu, emprestada para alguém, mas a beleza do trabalho gráfico dela permanece:

Literatura brasileira: Meu primeiro autor brasileiro foi José de Alencar. Amava suas personagens femininas, tão idealizadas e puras. Lucíola, Diva e Senhora de fato ainda me encantam.

Auto Ajuda: Alguns de vocês vão discordar de minha classificação. Mas minha intenção é dizer o quanto essa obra de Paulo Coelho me ajudou a buscar meus sonhos. Ah, os mais racionalistas querem agora apagar meu blog de sua lista, mas lembrem que dentro de todos nós existem sonhos que precisam ser gestados e buscados. O Alquimista me tocou por isso e onde encontro o livro volto aos meus 15 anos e redescubro outra parte de mim.





Então, faltando dez dias para os 40 anos, reflito que somos produto do que lemos na juventude e que nossa maturidade depende de como apreendemos cada pensamento, cada personagem e cada ideia que nasceu de um livro que a gente leu e que se incorporou na nossa essência. Assim realizo um grande sonho: ter muitos livros para ler em um jardim só meu. E isso é o que me define nessa nova fase.




Um abraço grande para todos e até a próxima postagem.

domingo, 4 de junho de 2017

Casamento Rústico parte 2

Olá gente, tudo bem?
Sei que faz tempo que a gente não bate um papo por aqui, mas agradeço muito aqueles que continuam nos seguindo e nos visitando. Estou esperando vocês ainda no nosso Instagram, @blogterapiadacasa. Siga a gente e conheça mais de nosso dia a dia e inspirações.
Como prometi para vocês, estou aqui hoje para mostrar o resultado de alguns elementos de nossa decoração para o casamento rústico que acontece dia 24 de junho.
Inicialmente, o primeiro passo foi decidir quais seriam as cores e materiais que a gente usaria para compor a decoração.

Decidimos primeiro então utilizar fita de renda, fita de cetim, juta dourada para decorar as garrafas de cerveja e compor assim um arranjo de centro. Minha irmã Andrielle Mendes preferiu confeccionar corações de feltro nas cores branca e amarela, como a noivinha pediu. 

Materiais comprados em armarinho da cidade de Parnamirim-RN
O segundo passo foi decidir como seriam os convites. Para que tudo fosse artesanal e ao mesmo tempo econômico, eu mesma comprei um pacote de folhas decoradas com gramatura 180 gramas e motivo de estrelas. Iniciei a confecção de laços em estilo Chanel, que são super fáceis de fazer. A pérola fez parte apenas do modelo, preferimos simplificar mais ainda o convite.

Papel comprado na loja Iskisita Atacado, Via Direta-Natal/RN

Em seguida, parti para a confecção dos convites. O legal de tudo isso é que eu fiz os convites de meu aniversário de 15 anos, em 1992. Naquela época, a gente usava muito o papel vegetal para trabalhar os convites. Quem lembra?
Quanto a minha irmã, juntou as garrafas de cervejas e retomou a confecção dos corações em feltro.

Garrafas vazias de Budweiser. 

Daí foi só elaborar o convite no word, pesquisar uma fonte bem bonita e original e pedir a noiva as informações para organizar os dados. 
Produção dos laços Chanel.
 Quando aos envelopes, comprei pardos, tamanho médio, para fazer a composição do estilo rústico e fiz uma decoração usando um mini perfurador de rosinhas. 

Arthemis fazendo a supervisão dos convites.
Convites prontos!
O passo seguinte foi a confecção dos centros de mesa com as garrafas de cerveja. Primeiro fiz a higienização das garrafas com água morna e detergente líquido. Com uma faca de mesa raspei os rótulos e removi bem a cola. Depois coloquei para secar ao sol.
Ajudinha complicada.





Enquanto elas secavam, separei os materiais e comecei a cortar as medidas corretas de cada garrafa. Para isso contei com a ajuda de Mármara, a arteira.
Materiais selecionados.



Depois foi a hora de decorar as garrafas e o resultado final ficou muito bom, faltando apenas a tag:


A noivinha aprovou tudo e partimos para a seleção das placas para a hora das fotos. Aqui deixo meu agradecimento público a todos que compartilham ideias e inspirações no Pinterest e na rede de uma forma geral. Gratidão. Fiz a impressão em casa em papel peso 40g e depois cortei, fixei o palito de bambu com cola de silicone e arrematei com fita adesiva para aumentar a aderência. Gostaram?







Espero que tenham gostado das nossas ideias. Em breve posto mais resultados de nossa inspiração para um casamento rústico. Torçam por nós e que esse casamento seja uma bênção.

Beijos de luz:
Andreia Regina








Você vai gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...